As cores do som

Sinestesia é um assunto apaixonante. Não estou falando aqui da patologia (que é um outro assunto, tão interessante quanto!), mas sim dessa metáfora poética e palpável que a gente sente na pele. É ver um alimento e antecipar seu gosto, ouvir uma música e  arrepiar o braço, sentir um cheiro e voltar à infância. Os sentidos se misturam e não podem mais ser distinguidos, trazendo o doce gosto fantasioso da realidade.

A_caricature_of_Louis-Bertrand_Castel's_-ocular_organ-

Nessa brincadeira, invenções a la Professor Pardal povoam o nosso planeta desde o século XVIII para criar um instrumento que permita enxergar as cores dos sons. O francês Jesuit Louis-Bertrand Castel foi um dos primeiros, com seu “clavicórdio colorido”, que levantava tiras de papel com a cor correspondente a cada tecla que era tocada.

Alexander Rimington inventou em 1893 o “Colour-organ”, que foi utilizado pelo seu xará, o compositor Alexander Scriabin, em sua “sinfonia sinestésica” Prometheus: O poema de fogo.

Assista à curiosa performance da sinfonia de Scriabin aqui: http://www.youtube.com/watch?v=589_HJtPevo

Anúncios

Um público especial

O Grupo Quinto trabalha desde 2012 com um público específico: crianças da rede pública de ensino. Os encontros dos pianistas com as crianças tem sido muito especiais! No final de 2012 o grupo levou para a Escola Municipal Maria das Neves, em Belo Horizonte, um concerto didático. Os alunos puderam ver como funciona o piano que existe na escola e tocaram com os pianistas. Também ouviram peças de Villa-Lobos e Maurice Ravel. Depois escreveram sobre a experiência e enviaram cartões.

Em junho de 2013 aconteceu a estreia do espetáculo “Villa-Lobos: vamos todos cirandar!” para 392 crianças da rede pública de ensino da cidade de Itabira, MG, no teatro da Fundação Cultural Carlos Drummond de Andrade.

E em outubro de 2013, na última apresentação do espetáculo da temporada, alunos de escolas públicas de São João Del Rei puderam ver o espetáculo do Grupo Quinto no Conservatório da cidade, dentro da programação da Maratona do Piano. O concerto apareceu em uma reportagem do MGTV, da Rede Globo. As crianças também fizeram mensagens e desenhos sobre o espetáculo.

Cada um desses concertos foi muito gratificante para nós. Alcançar novos públicos é uma das metas do nosso grupo. Que o futuro nos traga inúmeras oportunidades de levar música e beleza para essas crianças!

Por Bárbara Freitas

Cia. de Música Teatral

Nos dias 18, 19 e 20 de outubro foi realizado na Escola de Música da UFMG o II Seminário Internacional de Educação Musical.

A programação do seminário contava com um concerto para bebês, realizado pela Companhia de Música Teatral de Lisboa. O espetáculo apresentado foi o “Alibabach”, que encantou não só os bebês, mas todos os pais e alunos do seminário. O espetáculo conta com um cenário simples e lindo, músicas de Johann Sebastian Bach muito bem interpretadas, um bailarino e praticante de yoga fantástico e muitos, muitos momentos de arrepiar!

Além do “Alibabach”, a Companhia de Música Teatral conta com outros espetáculos tão surpreendentes e interessantes quanto! Para os amantes do piano, vale a pena assistir o espetáculo “Anatomia do Piano”.

A música vai além de sua essência, amplia seu significado e nos surpreende ao se conectar com as outras artes. Tudo a ver com o Grupo Quinto, não é?

Para saber mais sobre a Companhia de Música Teatral, acesse: www.musicateatral.com/

Alibabach

Cia. de Música Teatral

Por Fernanda Zanon

Sobre a música, essa paixão que é capaz de mover os sentimentos mais profundos

Quando eu tinha 13 anos, já começava a pensar no meu futuro, qual seria a minha profissão. Como boa filha de médicos, naturalmente considerava essa opção. Pensava na cardiologia, por admiração à minha mãe (mais tarde, através de um exercício bolado pelo meu pai – sem envolver sangue ou qualquer coisa que pudesse me causar desmaios – descobri que tinha aptidão para dar nós cirúrgicos, vejam só!). Também pensei na psicologia, pois comecei a fazer análise e gostei muito. Mas… e a música? Contava na escola que era pianista e muita gente achava o máximo… Eu já estava tão acostumada a ser pianista, que não via nada de mais naquilo… Apesar de amar o instrumento e a música em si… Até o dia em que eu visitei a Escola de Música da UFMG. Visitar aquele prédio bonito, novinho, cheio de plantas e que parecia brilhar de tão agradável me fez muito bem. A maior surpresa me aguardava no auditório: um piano de cauda inteira! Detalhe: a convite da minha professora, eu deveria TOCAR naquele piano uma peça que ela queria gravar! Aquele dia mudou minha vida para sempre. Cheguei em casa dizendo que o piano era quase do tamanho de um prédio, ou de um avião, de tão entusiasmada. Mas o que mais me cativou foi ver uma outra professora – que também tinha sido convidada pra tocar no dia – tocar uma peça impressionante, com muito envolvimento. Até hoje, acredito que foi essa paixão que eu vi transbordar dos meus professores que me fez escolher a profissão. Foi aí que eu vi que poderia ter algo que me dava muito prazer e alegria como uma escolha de vida, algo para o meu dia-a-dia em caráter definitivo. Depois disso, estudar música e ser pianista se tornou um grande sonho. O dia que eu vi meu nome naquela lista de aprovados do vestibular foi um dos melhores da minha vida.

Desde então, os anos passaram e a música se instalou na minha rotina. E as emoções fluem de diversas maneiras, seja na beleza das linhas melódicas criadas por Chopin, Beethoven e Villa-Lobos que estejam em determinado momento no meu estudo, seja através das peças mais singelas que meus alunos tocam, com todo um mundo de cores que tento ajudá-los a desvencilhar. Mas toda arte tem um lado que, em certos momentos, pode atrapalhar: o ego. A arte passa muito pelo narcísico, e muitas vezes exige de nós a perfeição. E isso, junto com o cotidiano, pode nos fazer esquecer do potencial transformador da música.

Mas aí a vida trata de nos dar umas cutucadas! Outro dia mesmo, eu estava tocando no Hospital Mater Dei. A direção do hospital adquiriu um piano e deixou-o num saguão de onde o som vaza para muitos andares, e convidou dez pianistas para se apresentarem semanalmente lá, cada um em um dia e horário diferentes. A idéia é trazer alento e alegria para o sofrimento dos pacientes, através da música. Naquele dia, eu estava desanimada, até meio desligada do meu trabalho. De repente chega perto de mim uma senhora com uma caixinha de plástico cheia de docinhos, com um bilhete junto e enfeitada por um lacinho, e me dá aquilo de presente. Ela conta que seu irmão estava internado no hospital havia três meses, e que para ele, nós – os pianistas – éramos como “anjos e fadas”. No bilhete, um agradecimento que me deixou comovida. Depois, ela perguntou quantos pianistas tocavam no hospital, e diante da minha resposta, ela voltou com mais nove caixinhas, que eu deixei na secretaria para todos os meus colegas!

Momentos assim nos ajudam a seguir em frente, com várias certezas: a música vem em primeiro lugar, independente das nossas incertezas, inseguranças e do nosso cansaço; a música é maravilhosa e ela sempre vai atingir as emoções mais profundas das pessoas, fazendo a elas um grande bem, acabando com diferenças; como pianistas e músicos, exercemos um importante papel, trazendo beleza pro mundo e mexendo com as pessoas, ajudando a levantá-las nos momentos mais difíceis; e, finalmente, sejamos nós médicos, advogados, pianistas ou de qualquer outra profissão, nós somos imperfeitos, e é através dessa imperfeição que devemos nos apresentar ao mundo. Aliás, acredito que a grande graça de tudo é essa, a noção da imperfeição. E é justamente isso que dá o gostinho de cada pianista, sejamos nós do Grupo Quinto ou quaisquer outros: o tempero de cada um com uma pitadinha de suas imperfeições…

Post por Bárbara Freitas